Cada Dia

12 de Fevereiro de 2016

FIDELIDADE, BÊNÇÃO SINGULAR


“Sejam para ti somente e não para os estranhos contigo. Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade”
Pv 5.17,18


O casamento é uma aliança de amor e fidelidade, feita na presença de Deus, entre um homem e uma mulher. O casamento está firmado sobre o sólido alicerce da fidelidade conjugal. O cônjuge precisa ser um jardim fechado, uma fonte reclusa. O marido deve à esposa: amor, respeito e fidelidade; a esposa deve ao marido: submissão, respeito e fidelidade. A vida sexual do marido e de sua esposa é uma fonte que não pode jorrar para os estranhos.

O leito conjugal precisa ser sem mácula, ou seja, a relação sexual entre marido e mulher precisa ser pura e santa, pois Deus julgará os impuros. Em vez de o marido ficar à cata de aventura sexual fora do casamento, deve alegrar-se com a mulher da sua mocidade. Ela deve ser a fonte de seu prazer, o motivo de sua exultação, o alvo de todos os seus afetos e carícias.

O prazer sexual na cama do adultério produz tormento e dor, culpa e vergonha, mas o prazer sexual no leito conjugal é fonte de delícias e prazer. Valorize, portanto, o seu cônjuge! Invista o melhor do seu tempo na vida de sua mulher. Ela deve merecer todo o seu afeto. Não sonegue a ela seu amor nem deixe de desfrutar toda a doçura de suas carícias.

Referência para leitura: Cantares 4.7-12